Para aqueles que buscam no estágio a oportunidade para se inserir no mercado de trabalho, aí vai uma boa notícia. Com a reabertura gradual do comércio, levando-se em conta todos os protocolos de segurança para comerciantes e consumidores, empresas e organizações de encaminhamento de estágio estão otimistas, de acordo com o Instituto Formar

“As empresas tem procurado se regularizar frente ao estágio. O fato de terem escutado elogios sobre o nosso trabalho também contribuiu para que nos procurassem”, afirma Kamila Sales, coordenadora de estágio. Além disso, a organização tem visto o número vagas de estágio, para maiores de 18 anos, aumentar, principalmente na área comercial e administrativa. De acordo com Kamila, a preferência pelo estagiário tem a ver com alguns atrativos, desde a oportunidade de adequá-lo ao padrão do contratante até o baixo custo da contratação.

O Grupo Nacional Peças, que implementa essa política de contratação há mais de 20 anos, sabe das vantagens de contar com estagiários na empresa e também reconhece a importância da parceria com uma organização de encaminhamento de estágio. “A contratação de estagiários nos permite capacitar futuros profissionais e descobrir novos talentos. O Instituto Formar, além de pré-selecionar o jovem, por meio da entrevista, nos orienta sobre atualizações na legislação que trata dos jovens aprendizes e estagiários, reforça Thiago Martinelli, coordenador do Grupo Nacional Peças.

– ESTÁGIO NA PANDEMIA –

Com mais de 16 mil jovens cadastrados no seu banco de dados, o Instituto Formar viu o número de estagiários inseridos nas empresas e órgãos cair 30% nos últimos cinco meses. O corte nos custos, a facilidade de rescisão de contrato de estágio e a Nota Técnica nº 5 da Anvisa, que trata das condições sanitárias no local de trabalho e que proíbe o acesso de menores de 18 anos nestes locais, foram decisivos para a diminuição do número de estagiários contratados.

O coordenador do Grupo Nacional Peças, Thiago Martinelli, afirma que a não contratação de menores tem sido o maior desafio da empresa nesse período de pandemia. “90% das vagas de estágio oferecidas por nós são voltados a candidatos do Ensino Médio, com idade entre 16 e 17 anos. ”

Segundo Kamila Sales, coordenadora de estágio do Instituto Formar, cada empresa tem adotado uma medida diferente em relação ao contrato com os estagiários.  “Há empresas que o mantêm em casa de forma remunerada, outros optaram por rescindir o contrato. Também temos casos de estarem em home-office ou em que a empresa oferece o transpor-te da empresa”.

A estudante de Ensino Técnico, Andreza André, de 23 anos, é estagiária na área administrativa há seis meses e já tem vivido a experiência de trabalhar durante a pandemia. “O momento é diferente da rotina que estava acostumada. Porém, sigo tranquila e tomando os devidos cuidados”.

Apesar da situação, a coordenadora afirma que o estágio ainda é a porta de entrada ideal para o mercado de trabalho e faz um apelo de incentivo em favor do estudante em período de aprendizado. “Esperamos que as empresas olhem para o estágio como uma ferramenta para o processo de contratação, ensinando os valores e ideais da empresa”.

Em Brasília, o Projeto de Lei 3281/20, apresentada na Câmara dos Deputados de autoria do parlamentar Benes Leocádio (Republicanos-RN), isenta de contribuição previdenciária por 36 meses, caso o empregador converta o contrato de estágio em emprego. O objetivo da proposta é incentivar a contratação na pandemia.

– SOBRE O ESTÁGIO –

O estágio profissional é o primeiro passo para o jovem estudante se inserir no mercado de trabalho, adquirindo experiência e conhecimentos na área que pretende atuar. Andreza André, estagiária do setor administrativo há seis meses, comemora a oportunidade de aliar teoria com a prática. “Também temos a chance de conhecer a área escolhida e definir se a escolha do curso foi bem-sucedida”.

E é através de organizações de encaminhamento de estágio, que essa transição da escola para o mercado de trabalho acontece de forma mais adequada. Os perfis dos estudantes são traçados e encaminhados à vaga que mais se encaixam. Além disso, podem refletir sobre o valor do trabalho para a vida e para a realização dos sonhos. A coordenadora de estágio do Instituto Formar, Kamila Sales, acrescenta: “É um período de aprendizagem e de desenvolvimento pessoal e interpessoal do aluno, onde o aspecto pedagógico e protetivo supera o caráter produtivo na relação instituição-estudante-empresa”.

Empresas e, sobretudo, a sociedade também saem favorecidas com esta relação. Kamila cita alguns benefícios. “As empresas e órgãos contam com um baixo custo na contratação, além de promover o aprendizado, o vínculo social e a identidade do jovem. Já a sociedade ganha com a redução da vulnerabilidade social, já que o aluno se sente valorizado, responsável e capaz de construir uma identidade e construção pessoal”. Salienta, ainda, que o processo de estágio também desenvolve a cidadania, promovendo a transformação social contínua nas comunidades onde atua.

Vale lembrar que as organizações de encaminhamento de estágio não possuem fins lucrativos e visam capacitar e inserir jovens no mercado de trabalho. Além disso, são regidas pela Lei de Estágio nº 11.788, de 2008.

Fonte: Instituto Formar