Por Raphael Oliveira

 Sabe aquele funcionário altamente qualificado, super-atencioso, está sempre disponível para ajudar, pró-ativo e que resolve todos os problemas que chegam? Pois bem, quem não quer trabalhar com pessoas assim, que contribuem, e muito, para as empresas decolarem em seu negócio?

Eles são ótimos né? O desafio aí são os líderes lembrarem disso durante o cotidiano de trabalho, tratar com cordialidade e não sobrecarregar estas pessoas competentes e comprometidas com as multitarefas que lhe são atribuídas.

Caso contrário, o resultado pode ser desastroso: eles começam a ficar desmotivados, beirando a estafa e chegar a ter problemas psicológicos, o que pode levar até a uma depressão. Daí é tudo que ninguém deseja. O trabalho merece ser motivador e até divertidos para todos.

Em geral, essas pessoas são muito exigentes com elas próprias, chegando ao ponto de se sentirem mal quando cometem algum deslize, por mínimo que seja. E que pode ser agravar quando estão cheias de tarefas, daí não conseguem fazer as entregas de alta qualidade que estão acostumadas e podem vir a sofre com baixa autoestima.

Pode não parecer, mas este é um dos grandes desafios para os líderes: valorizar e reter talentos, fazer com que gostem do cotidiano e se mantenham na empresa e assim evitar o chamado aumento do turnover ou rotatividade de pessoal, quando a um número alto de desligamento dos colaboradores, levando a abalar o funcionamento e a produção da empresa.

Como agir então para reter e motivar estes perfeccionistas no melhor sentido, mas, que pecam em nunca dizer “não” aos seus líderes quando estão entulhados de coisas para fazer:

  1. Valorize o colaborador: Pagar um salário justo já é bom, mas, também é preciso contribuir para a autorrealização e autoestima, duas das maiores carências do ser humano. Reconheça a importância do talento dele para a empresa, com gestos e elogios, dê parabéns.
  2. Ofereça um plano de carreira: Apresente possíveis cenários de futuro para a empresa, ofereça a possibilidade de desenvolver projetos desafiadores, além, claro, de mudança de cargo e aumento de salário.
  3. Inclua no processo de decisão: Compartilhe momentos de decisões da empresa, dê autonomia e também proporcione momentos de tomada de definições para ele.
  4. Não esconda, nem aproprie-se dos talentos: Dê o crédito das ideias a quem deu as ideias realmente, assim o colaborador ficará motivado a continuar em busca de soluções inovadoras para resolver os problemas da empresa.
  5. Evite que leve trabalho para casa: Se acontecer, o colaborador pode ficar muito cansado física e psicologicamente. É preciso bom senso para não abusar da disponibilidade.
  6. Celebre as conquistas: Bater metas, conseguir um resultado positivo inesperado, crescimento fora do previsto, não só podem, como devem ser comemorados!

    E na sua empresa? Existe um ambiente favorável para reter os craques que almejam crescer, contribuir com a equipe, resolver problemas de clientes e construir melhores resultados para o negócio? Vamos falar mais a respeito? Então, chame-nos aqui. Podemos ajudar.

Raphael Oliveira é consultor de gestão, formado em Administração de Empresas e Sistemas de Informações pela UEM – Universidade Estadual de Maringá/PR. MBA em Gestão de Projetos; e Finanças pela FGV/SP. É diretor da Northcomm Consultoria em Gestão Estratégica e membro do Conselho Gestor do SindiplastES – Sindicato das Indústrias Plásticas do Espírito Santo.