Por Raphael Oliveira

 

Você desperta um desejo de empatia e decide praticar o bem, fazer algo pelo próximo, contribuir por uma causa. Imbuído deste sentimento nobre, resolve montar uma Organização Não-Governamental (ONG). Até aí ok, mas, o desafio daí em diante fica para como administrar a empreitada.  Enfim, é preciso muito mais do que as boas intenções para atuar no Terceiro Setor.

Na prática, as ONG´s atuam como verdadeiras empresas, daí precisam de estruturas compatíveis para fortalecer sua moralidade e garantir ações transparentes. E aí que entra a importância de poder contar com um consultor em gestão para que realmente a sua instituição consiga o intuito final que é de ajudar ou contribuir com um número cada vez maior de pessoas.

O processo de profissionalização leva a otimizar os trâmites, ficando mais ágeis e as ações mais transparentes, com a otimização dos recursos, atraindo mais financiadores e parceiros. Como não é o caso de uma instituição que visa a gerar lucros, o resultado do investimento, além daquela sensação de estar cumprindo o seu papel na sociedade por um mundo melhor, são os ganhos com a imagem institucional da empresa (aquele que soma a imagem, mais a identidade da empresa, visando uma boa reputação).

Só lembrando, as ONG´s são entidades cada vez mais presentes em nosso cotidiano, pois, muitas vezes, as ações do poder público não dão conta das demandas da população. Nos últimos anos, o crescimento é duas vezes maior do que o governamental e privado. Elas são entidades privadas da sociedade civil, sem fins lucrativos, que tem a intenção de defender e promover uma causa, como nas áreas de saúde, meio ambiente, questões urbanas, racismo e por aí vai.

Inclusive nos últimos anos tem crescido duas vezes mais rápido, quando comparado ao setor governamental e privado, tendo em vista a geração de postos de trabalho, de acordo com o IBGE.  Muito porque, se tornaram referências no mercado, como marcas e procuradas por grandes empresas para firmar convênios e parcerias.

Com o profissional, será possível ter várias vantagens: uma gestão estratégica, com melhor organização dos processos, novas visões e técnicas, incorporadas no cotidiano das tarefas, inovação nos métodos, execução de tarefas específicas que a equipe interna não terá condições de realizar, além de sempre pensar em novas alternativas para evoluir socialmente e financeiramente.

Apesar de toda essa evolução e profissionalização, é bom lembrar que a valorização da corresponsabilidade do cidadão não quer dizer que o Governo deve se eximir das responsabilidades. Pelo contrário, precisa ser acompanhado e cobrado por isso, se houver necessidade. O sentido das ONG´s mesmo é a de parceria. Assim, com a sociedade é possível ampliar a mobilização de recursos para as ações de interesse público.

Pronto, viu quantos benefícios? Quer isso para a sua #ong também? Então, chame-nos aqui. Podemos ajudar.

Raphael Oliveira é consultor de gestão, formado em Administração de Empresas e Sistemas de Informações pela UEM – Universidade Estadual de Maringá/PR. MBA em Gestão de Projetos; e Finanças pela FGV/SP. É diretor da Northcomm Consultoria em Gestão Estratégica e membro do Conselho Gestor do SindiplastES – Sindicato das Indústrias Plásticas do Espírito Santo.